Doenças da Bexiga

  • Incontinência Urinária Feminina

    O que é?

    Incontinência urinária é a perda da capacidade de conter a urina.

    Quais são os sintomas?

    O principal sintoma é a perda de urina involuntária. Pode ocorrer durante algum esforço físico (tosse, espirro, corrida, jumping, ciclismo) ou associado a um desejo de urinar muito forte (urgência miccional).

    Quem pode ter o problema?

    Mulheres de todas as idades.

    Qual a causa?

    Existem várias causas. A mais comum é uma fraqueza da musculatura da região do períneo – área responsável por manter os órgãos genitais (útero e vagina) e urinários (bexiga e uretra) em seu devido lugar. Outras causas de incontinência são problemas neurológicos (derrame cerebral, Parkinson, trauma de medula, hérnias de disco) ou como complicações de cirurgias ginecológicas da região pélvica.

    Como o problema é diagnosticado?

    O diagnóstico é feito pela história de perda urinária da paciente. Os tipos e a gravidade da incontinência podem ser caracterizados através do estudo urodinâmico.

    Como é o tratamento?

    O tratamento varia de acordo com a causa da incontinência urinária. Pode ser através de medicação, fisioterapia urológica ou cirurgia.

  • Infecção Urinária de Repetição (Cistite de Repetição)

    O que é?

    É a infecção de bexiga (cistite) que ocorre repetidas vezes durante um curto período de tempo.

    Quais são os sintomas?

    Os sintomas mais comuns são: ardência para urinar, aumento da frequência urinária, sangramento urinário e dor pélvica. Os sintomas ocorrem repetidas vezes, mesmo após o tratamento adequado.

    Quem pode ter o problema?

    Mais comum em mulheres, em todas as faixas etárias.

    Quais as causas?

    Contaminação e infecção da bexiga por bactérias que na maioria das vezes são provenientes do sistema digestivo (intestino).

    Como o problema é diagnosticado?

    O diagnóstico é feito pelos sintomas e pela história de repetidos episódios do problema. É confirmado pelo exame de urina que isola a bactéria causadora da infecção e acusa a presença de pus ou sangue na urina.

    Como é o tratamento?

    O tratamento da fase aguda é feito com antibióticos, anti-inflamatórios e analgésicos. Após a cura da infecção, existem outros cuidados para que os episódios não se repitam, como uso de vacinas, outros tipos de antibióticos, cuidados com higiene, tratamentos de doenças ginecológicas, tratamento da constipação intestinal, etc.

  • Câncer de Bexiga

    O que é?

    É um tumor maligno com origem primária na bexiga.
    É o 9º câncer mais frequente no mundo em ambos os sexos e o 2º câncer urológico mais frequente.
    Seu aparecimento é mais comum na 6ª e 7ª décadas de vida.

    Quais são os fatores de risco?

    • Exposição ocupacional às aminas aromáticas
    • Tabagismo
    • Irritação crônica por cálculos ou cateter vesical permanente
    • Infecção urinária crônica

    Quais são os sintomas?

    O sintoma mais comum é o sangramento urinário (hematúria) intermitente e indolor que às vezes não é percebido pelo paciente, somente sendo detectado através do exame de urina. Menos comumente o câncer de bexiga pode ocasionar sintomas de irritação da bexiga, como ardência ou urgência para urinar e aumento do número de micções.

    Como é feito o diagnóstico?

    É realizado através da biópsia da bexiga pelo exame de endoscopia (cistoscopia). O material retirado é enviado para análise em laboratório de patologia, onde a presença e o tipo de câncer são confirmados.
    Também pode ser feito pelo exame de citologia urinária – pesquisa de células tumorais na urina.

    Quais são os tipos?

    • Carcinoma de células transicionais (mais de 90% dos casos)
    • Adenocarcinoma
    • Carcinoma de células escamosas

    Como é o tratamento?

    Os tumores de bexiga não têm boa resposta à radioterapia e quimioterapia, sendo a cirurgia a principal modalidade de tratamento.
    Os tumores superficiais geralmente são tratados através de ressecção transuretral – um aparelho é introduzido através da uretra e o médico remove o tumor guiado por vídeo. Em alguns casos há necessidade de complementação do tratamento com medicamentos injetados no interior da bexiga.
    Os tumores de bexiga invasivos são tratados com a remoção parcial ou total da bexiga (cistectomia) e em alguns casos a uretra também é retirada. A reconstrução urinária é feita por várias técnicas, utilizando parte do intestino do paciente.

    Existe prevenção?

    Alguns estudos recomendam o aumento da ingestão de água e o abandono do tabagismo como medidas preventivas.

Marque agora sua consulta

Invalid Input
Invalid Input
Invalid Input
Invalid Input

Contatos

Unidade Advance

(61) 98625-8802

(61) 3345-4200

Segunda à Sexta-Feira: 8:00 às 21:00

Sábado: 8:00 às 12:00

Unidade Santa Lúcia

(61) 3346-7612

Segunda à Sexta-Feira: 8:00 às 21:00

*Não atendemos aos sábados nesta unidade


Pesquisar

Valores

Missão

“Oferecer serviços na área de urologia com excelência e manter um atendimento humanizado”.

Histórico

Em meados de 1980, a totalidade de médicos urologistas na Capital Federal mal ultrapassava a casa dos trinta profissionais, cujas atividades se desenvolviam predominantemente no serviço público. O Hospital de Base do Distrito Federal era a unidade hospitalar onde se concentrava a maior parte destes e que tinha por escopo prestar assistência médica urológica a população de Brasília e entorno e de fomentar a formação de novos profissionais.

A prestação de serviços no setor complementar privado, em sua maior parte, era fragmentada ou mesmo praticada de forma individualista e quase sempre orbitando em torno da força do setor público.

Testemunhando o crescimento e desenvolvimento de Brasília, em 1986, quatro profissionais oriundos do Hospital de Base juntaram esforços com o núcleo do Hospital Santa Luzia, constituindo o UROCENTRO – Centro Urológico de Brasília, com sede no Hospital Santa Luzia.

O grupo inspirou-se na missão de oferecer serviços médicos na especialidade de urologia à uma clientela que, por razões diversas, demandava atendimento no setor privado, talvez por ser mais ágil e eclético.

A equipe então nascente, tinha por valores: qualidade dos serviços prestados, responsabilidade, inovação, observância dos preceitos éticos da medicina, humanização dos serviços oferecidos, atualização contínua do conhecimento da especialidade, disponibilização de novos instrumentais e tecnologias à comunidade assistida e interação com especialidades correlatas.

Em 1989, com pequenas alterações no grupo original, o UROCENTRO mesclou-se com o núcleo do Hospital Santa Lúcia e se consolidou como o primeiro grupo de especialistas em urologia de Brasília. Essa fusão levou o UROCENTRO a fortalecer suas propostas originais e a servir de modelo para a formação de outros grupos, fortalecendo o desenvolvimento da nossa especialidade em todo o DF.

Em 1992, o UROCENTRO adquiria a sua sede própria no Centro Clínico Sul, expondo-se à maior visibilidade junto ao seu público alvo e expandindo suas atividades.

No início da década de 2010, agregaram-se dois novos profissionais ao seu quadro médico, por um lado dando mais dinamismo às suas atividades e por outro promovendo a renovação dos seus quadros.

Em maio de 2011, visando dar novo fôlego a clínica e fomentar a renovação de seu quadro funcional, o grupo promoveu o desligamento de alguns profissionais, incorporou novos jovens profissionais e também estendeu um braço de atendimento no Hospital Santa Lúcia. Atualmente a clínica conta com dez urologistas.

No bojo dessas transformações, sempre visando o avanço do UROCENTRO, transferimos a sede da clínica para um novo e amplo espaço, com arquitetura contemporânea, localizada no Edifício Advance, Quadra 915 Sul e mantivemos o braço funcional no Hospital Santa Lúcia.